* Democracia neste país é relativa, mas corrupção é absoluta *

* Democracia neste país é relativa, mas corrupção é absoluta *
"PIMENTORIUM IN ANUS OUTREM REFRESCUS EST"

segunda-feira, novembro 07, 2011

Quanta diferença.

Os cinco generais presidentes

 http://www.educacaoadventista.org.br/ensino-medio/images/stories/ensino_medio/macetes2_040711.jpg

OS GENERAIS PRESIDENTES... COMPARAÇÕES    

"Erros foram praticados durante o regime militar, eram tempos difíceis. Claro que no reverso da medalha foi promovida ampla modernização de nossas estruturas materiais. Fica para o historiador do futuro emitir a sentença para aqueles tempos bicudos."

Mas uma evidência salta aos olhos.
Quando
Castelo Branco morreu num desastre de avião, verificaram os herdeiros que seu patrimônio limitava-se a um apartamento em Ipanema e umas poucas ações de empresas públicas e privadas.

Costa e Silva, acometido por um derrame cerebral, recebeu de favor o privilégio de permanecer até o desenlace  no palácio das Laranjeiras, deixando para a viúva a pensão de marechal e um apartamento em construção, em Copacabana.


Garrastazu Médici dispunha, como herança de família, de uma fazenda de gado em Bagé, mas quando adoeceu, precisou ser tratado no Hospital da Aeronáutica, no Galeão.



Ernesto Geisel, antes de assumir a presidência da República, comprou o Sítio dos Cinamonos, em Teresópolis, que a filha  vendeu para poder manter-se no apartamento de três quartos e sala, no Rio.



João Figueiredo, depois de deixar o poder, não aguentou as despesas do Sítio  do Dragão, em Petrópolis, vendendo primeiro os cavalos e depois a propriedade.  Sua viúva, recentemente falecida, deixou um apartamento em São Conrado que os filhos agora colocaram à venda, ao que parece em estado lamentável de conservação.



Não é nada, não é nada, mas os cinco generais-presidentes até podem ter cometido erros, mas não se meteram em negócios, não enriqueceram nem receberam benesses de empreiteiras beneficiadas durante seus governos. Sequer criaram institutos destinados a preservar seus documentos ou agenciar contratos para  consultorias e palestras regiamente remuneradas.
Bem diferente dos tempos atuais, não é? "
Por exemplo o
Sebentinho filho do EX presidente Defuntus Sebentus, O Enfermo, era até pouco tempo atrás funcionário do Zoológico/SP, com um salário (já na peixada politica) de R$ 1200,00 e hoje é proprietário de uma fazenda em Araraquara, adquirida por 47 milhões de reais, e detalhe, comprada a vista.
Centenas de outros politicos, também trilharam e trilham o mesmo caminho.
Se fosse aberto um processo generalizado de avaliação dos bens de todos politicos, garanto que 95% não passariam.

(JORNALISTA CARLOS CHAGAS).
 ................................................................................................
Recebido por E-Mail. 

Share/Bookmark

16 comentários:

Anônimo disse...

Bastava uma investigação para verificar a evolução patrimonial dessa gente, que todos iriam parar na cadeia. Também teriam que devolver o que roubaram.
Mas estamos na Banânia, e por aqui as "otoridades" (Ministério Público, Judiciário e Polícia), não estão nem aí com os casos descarados de enriquecimento ilícito.
E essa m#@@ de receita federal não pega peixe graúdo, não. Só peixe pequeno, principalmente, assalariado.

BANDO DE VIGARISTAS!!!!

Anônimo disse...

Ora vejam só...o Carlos Chagas também ouve o "True Outspeak" do Prof. Olavo de Carvalho...

Claudio disse...

Somente uma correção. Essa fazenda (uma entre muuuuuitas) fica no município de Valparaíso e não de Araraquara. Abraços.

Anônimo disse...

Saudade do tempo em que Generais honravam a farda.

Anônimo disse...

Com a palavra, e as ações, os Auditores-Muito-Bem-Remunerados da RECEITA FEDERAL DO BRASIL.

Domaneskovisky disse...

Mascate,
desculpe-me pelo jargão:"Eramos Felizes e não sabíamos"
agora:PHODA-SE

Anônimo disse...

Pois é, realmente e em todos os sentidos, ÉRAMOS FELIZES e não sabíamos. E agora somos roubados e é só SACANAGEM com o NOSSO dinheiro público e as "excelências", só rindo das nossas caras.
Mas, também, queriam alguma coisa diferente, se a cada 4 anos todos estes SALAFRÁRIOS que aí estão SÃO REELEITOS ??
ACORDA BRASIL IL IL IL ...

Major

Anônimo disse...

A parte de procederem franciscamente com o dinheiro público, tinham vergonha na cara,coisa que falta aos generais de hoje(porque se a tivessem)já teriam metido um pé na bunda de todos esses PTRalhas, e foram os unicos que deixaram obras de infraestrutura fantasticas.Depois deles,me apontem uma só obra feita pelos governinhos de merda que tivemos.E. me respondam,se estivessem até hoje comandando esta naçao, será que existiria MST,maconheiros na USP depredando o patrimonio público,os haddads da vida ideoligizando as provas de enens,vestibulares etc??Saudade daqueles tempos,em que éramos felizes e nao nos demos conta.Eu mesmo era um esquerdisstinha de merda,fui preso pelo Dops etc.,e hoje tenho que admitir,os Homi tinha razao di montao.O que falta hoje em toda esta esquerda de merda, é pau no lombo.ass.Arnesto,aquele do BRAS

Anônimo disse...

Se não é TUCANO, porque não se fala nada da roubalheira tucana acontecida nas privatizações ? O filho do DEMAGOGO VELHO GAGA FHC, QUE DESVIOU 25 MILHÕES, tem apto em Paris onde o pai vai sempre passear? A roubalheira TUCANA que está acontecendo nos ESTADOSm cpomo SP e Paraná, onde o presidente da camara municipal é do PSDB à mais de 20 anos e mantem contyrato de publicidade com a empresa da esposa levando mais de 30 milhões ? Agora o BETINHO CHEIRADOR que é o GOVERNADOR DO PSDB, aumenta em 500% as taxas do DETRAN, e aluga helicopteros e aviões para passear COM SUA QUADRILHA.

"O Mascate" disse...

Meu caro anônimo.
As privatizações foram uma benção para o Brasil. Imagine a PTroubrás privatizada o que estaria dando de lucros e eficiencia.
Os 25 milhões que segundo você foram roubados nas privatizações pelo filho do Senil FHC são dinheiro de pinga perto do que já roubaram os ETICOS" "TRANSPARENTES" e "PROBOS" PTralhas
Não falo do governo do PSDB porque é chover no molhado. E em segundo lugar, eles jamais disseram durante duas décadas que eram os arautos da moralidade. Tucano é ladrão, isso não é surpresa alguma, surpresa foi ver os "éticos" PTrlhas serem mais safados que os Tucanos.
Simples assim.
Quantos ministros cairam por corrupção nos governos do FHC?
Daí já se tem uma idéia de que o PT é mais podre que todos os outros juntos.

Anônimo disse...

CHEGA SER HILARIANTE, ESTES TUCANOS CORRUPTOS FALAREM EM ÉTICA, E AINDA QUEREM FAZER MANIFESTAÇÃO CONTRA A CORRUPÇÃO AMANHÃ.


BRASÍLIA - Primeiro senador beneficiado pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de suspender a aplicação da Lei da Ficha Limpa na eleição passada, o tucano Cassio Cunha Lima (PB) não só rejeita a pecha de parlamentar "ficha suja" como acredita que teria garantido o mandato que assumiu agora mesmo se a lei já tivesse em vigor em 2010. E, a despeito da polêmica em torno de sua candidatura e posse como senador, chega ao Senado declarando-se pronto para engrossar o coro da oposição contra os desmandos na administração pública. Cássio não hesita em apontar a defesa da ética na vida pública como uma das bandeiras que a oposição deve abraçar diante da sucessão de escândalos enfrentados pelo governo de Dilma Rousseff. Disposto a colaborar com o projeto do PSDB de voltar a governar o país, ele cobra o fim dos conflitos internos do partido, adiantando que considera hoje seu colega de bancada Aécio Neves (MG) com o melhor perfil para representar a legenda na disputa presidencial de 2014.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/cassio-cunha-lima-diz-que-esta-pronto-para-reforcar-oposicao-3234657#ixzz1dhTwtlff
© 1996 - 2011. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

"O Mascate" disse...

Por falar em ficha limpa.
Quantos PTralhas apoiaram a lei popular?
Se o ficha limpa passasse do jeito que a população assinou, muitos dos que hoje se escondem por trás da bandeira da estrela vermelha estariam procurando emprego e não na política.
Mas...o povo é tolo e acredita que PSDB PT, DEM, etc etc etc... são bons para o país.
O povo infelizmente não sabe a força que tem.

"O Mascate" disse...

Ahhh, e a passeata contra a corrupção não é bandeira de partido algum, caso voce não tenha parcebido, ela é de iniciativa popular.
Políticos por lá não tem vez.
Pergunte para o Suplicy que tentou se infiltrar na ultima em SP o que aconteceu.
E as Ratazanas Vermelhas estão começando a provar do próprio veneno, o povo está de saco cheio de TODA classe política. E é chegada a hora de moralizar o país, mas infelizmente os militontos PTralhas não podem ir na passeata contra os patrões deles.
A ideologia esquerdofrênica transformou todo PTralha em desonestos com eles mesmos, as bandeiras levantadas há duas décadas contra a bandalheira que assola Brasil estão enroladas e escondidas, afinal, os PTraçhas são tão ou mais bandidos quanto um Paulo Maluf ou ACM.
Ou estou mentindo?

Anônimo disse...

O jacobino Ophir(*) e a presunção da inocência

(*)Ophir Cavalcante é o atual presidente da OAB nacional -
Enviado por luisnassif, qua, 16/11/2011 - 16:24
Autor:
Luis Nassif



Luta contra a corrupção é uma bandeira genérica que permite toda sorte de oportunismo político travestido de boas intenções. Afinal, quem pode ser a favor da corrupção?

Em nome dela, atropelam-se princípios básicos do direito: como presunção da inocência, direito de defesa de acusados. Em vez de se jogar para a Justiça, joga-se para a mídia: denuncia-se e condena-se sem direito a apelação por alguns minutos de exposição.

Quando essas práticas são adotadas por órgãos representativos de advogados – como a OAB – tornam-se mais daninhas ainda.

Em sua função, o presidente da OAB nacional Ophir Cavalcante recorreu a todo repertório de aberrações contra os direitos individuais – dos quais a OAB deveria ser a guardiã. Julgou sem ouvir as partes, condenou sem direito à defesa, comportou-se como um Catão falando exclusivamente para a mídia, oportunisticamente para a mídia.

Tome-se o caso Orlando Silva.

No dia 19 de outubro passado, com o Ministro sob uma saraivada de acusações falsas e difamatórias – como as de ter recebido dinheiro na garagem do Ministério – Ophir foi implacável:

Da Folha

O presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Ophir Cavalcante, afirmou nesta quarta-feira que o ministro do Esporte, Orlando Silva, deveria renunciar ou pedir licença do cargo para se defender das acusações de corrupção.

Para o advogado, Orlando Silva está usando o "escudo" do cargo para se defender. "O ministro está desfocado, neste momento já perdeu a credibilidade junto à sociedade e isto, certamente, vai afetar o próprio a governo Dilma", afirmou.

O PCdoB entrou em contato tentando convencê-lo da arbitrariedade do pedido. Na mesma hora os telefonemas viravam notas nos blogs da Veja:

Anônimo disse...

O ex-tenente Marcelo
Paixão de Araújo:
herdeiro de uma
das grandes
fortunas mineiras
Marcelo Paixão de Araújo debruçou-se sobre uma mesa de vidro, na sala de seu amplo apartamento, em Belo Horizonte, pediu à empregada para trazer biscoitos, água mineral e café — e prestou a VEJA um histórico depoimento de quase duas horas. Com ele, tornou-se o primeiro agente da repressão a admitir em público que torturava presos políticos durante a ditadura militar. Hoje, passados trinta anos, sua vida é tranqüila. Herdeiro dos fundadores do sólido Banco Mercantil, Marcelo Paixão de Araújo formou-se em direito e trabalha como corretor de seguros, em Betim, a 30 quilômetros de Belo Horizonte, para onde vai dirigindo seu Toyota do ano. Casado, duas filhas, acaba de mudar-se para um apartamento de 300 metros quadrados, na região da Savassi, um dos bairros mais chiques da capital mineira. Apesar dos 15 quilos acima do peso ideal, ele maneja seu barco no lago de Furnas, onde tem uma casa para os fins de semana. De manhã, lê por uma hora, antes de sair para o trabalho. Em casa, tem uma biblioteca de 2.500 volumes, onde se podem encontrar desde clássicos da literatura brasileira até manuais de tortura. Ele gosta de livros de política e de História e, nos últimos tempos, tem-se dedicado à leitura de biografias. Leu A Lanterna na Popa, do ex-ministro Roberto Campos, e Chatô, o Rei do Brasil, do jornalista Fernando Morais.
"A tortura causa um desgaste muito grande. Nunca me neguei a torturar alguém, mas só fazia quando havia necessidade. Mas a brincadeirinha não tem a menor graça, viu?" (risos)

Em 1968, Marcelo Paixão de Araújo servia como tenente no 12º Regimento de Infantaria do Exército em Belo Horizonte, um dos três centros mais conhecidos de tortura da capital mineira durante a ditadura militar. Ali, permaneceu até 1971. "Fiquei porque achava que a única forma de consertar o país era por meio das Forças Armadas", diz. Ao deixar a caserna, foi trabalhar na empresa do pai, a Minas Brasil, braço de seguros do Banco Mercantil, onde ocupava o cargo de superintendente técnico. Raríssimas vezes usava terno e gravata. Preferia trabalhar de calça jeans. "Ele era diferente do pai e dos irmãos. Era um moleque, uma pessoa muito alegre, que vivia contando piada", diz uma ex-funcionária da empresa. "Descobri que eu não havia nascido para ser executivo", conta Marcelo. Ali, trabalhou seis anos, mas teve tantos problemas que saiu da empresa para o divã do analista. Fez sete anos de análise. Ele garante que não recorreu ao divã em função da passagem pelo porão e diz que vive em paz com seu passado. Na entrevista a VEJA, o ex-tenente alternou estados de humor, indo da descontração à rispidez em segundos. Aqui, ele conta como e por que torturou três dezenas de presos políticos, de 1968 a 1971:

Anônimo disse...

Dono do Rede Energia deu o maior calote da história
O empresário Jorge Queiroz, dono do grupo Rede Energia, deu um calote de cerca de 6 bilhões de reais em seus credores e zarpou para a Europa em maio. E ninguém sabe como o imbróglio vai se resolver
Funcionário da CPFL: oferta de pagar apenas 15% das dívidas do grupo Rede
São Paulo - O empresário Jorge Queiroz de Moraes, dono do grupo de energia elétrica Rede, detém dois feitos notáveis em sua trajetória empresarial. Primeiro, transformou uma combalida distribuidora de energia fundada por seu avô em Bragança Paulista, no interior de São Paulo, em um dos maiores grupos energéticos do país, que chegou a faturar 8 bilhões de reais e a atender 5 milhões de consumidores em 2011.
Na esteira do crescimento, Queiroz acumulou um patrimônio avaliado em 500 milhões de reais — e um padrão de vida condizente com todo esse dinheiro. Todos os dias, fazia num helicóptero Bell Jet o trajeto entre a fazenda Boa Esperança, em Bragança Paulista, onde morava com a mulher, Regina, e seis de seus oito filhos, e a sede da companhia, na avenida Paulista.