* Democracia neste país é relativa, mas corrupção é absoluta *

* Democracia neste país é relativa, mas corrupção é absoluta *
"PIMENTORIUM IN ANUS OUTREM REFRESCUS EST"

sexta-feira, novembro 12, 2010

Quem quer dinheiro?!?!?

Sílvio Santos é verdadeiramente o grande empresário deste país.
Ele está há anos vendendo carnês de um estranho consórcio que você paga mensalmente e no final retira o valor pago em alguma bugiganga superfaturada em uma das lojas do Baú, o nome já diz, BAÚ, qualquer semelhança com o velho golpe é mera coincidência...
Agora ele provou de vez que tem "FARO" para arrumar otários e promover seus negócios.
Vendeu pela bagatela de 2.5 BI lhões 49% das ações do quebrado e fraudado Banco Panamericano que pertence ao grupo empresarial SS.
A Caixa Econômica Federal comprou as ações do banco com recursos do tesouro nacional, ou seja, o governo enfiou dinheiro público para socorrer banco privado.
E o pior, o fez sabendo das manobras fiscais que a direção do banco havia feito para "maquiar"os balanços.
Mas, em um governo que faz jogada contábil para comprar ações da Petrobrás sem colocar um centavo e ainda por cima conseguir vender para a estatal um petróleo que ainda nem saiu do buraco, e com essa manobra conseguir superavit nas contas públicas do Brasil, e ainda, virar credor da estatal e maior acionista da empresa, essa negociação com o SS até que foi molezinha vai..
Dizem os "vigilantes da verdade" PTralha que o SS deu como garantia sua emissora de TV.
E já apareceu um interessado em comprá-la, Eike Batista, amigo íntimo de Zé Dirceu e um dos mais "bondosos" doadores para a campanha presidencial da Sebenta do Sebento.
O PT não tinha em mãos nenhuma TV aberta, com essa maracutaia do governo X Caixa X panamericano, não digo nada se em breve o SBT não mudar de mãos e passar a ser mais um braço da PTralhada a serviço do Foro de San Pablo. E de Sistema Brasileiro de Televisão ele passaria a ser chamado de Sistema BOLIVARIANO de Televisão.
Não esqueçam que o empresário Sílvio Santos já está com 80 anos e tem sérios problemas administrativos dentro da TV onde suas filhas estão dando um certo trabalho para o papai.
Ele vende o banco, salva uma grana preta, não paga o acordo e a TV cai nas mãos do Bostivarianos. SS se muda para morrer em Los Angeles já com seu testamento feito e os bens divididos entre as filhas e os pobres brasileiros irão continuar pagando a conta dessa maracutaia.
E depois tem PTralha que ainda tem coragem de falar do PROER do FHC.
Me parece que no governo do Brasil só mudaram as moscas, pois a merda continua a mesma.

Share/Bookmark

Um comentário:

Anônimo disse...

O caso PanAmericano, marcado por auditorias que não existiram ou que foram feitas só para constar, é tão grotesco que já está sendo ridicularizado na internet, no seguinte texto assinado por Marcio Cremona, que vale a pena difundir: Um dia destes, em setembro, o apresentador Silvio Santos, estava passeando por Brasília, passou distraidamente em frente ao Palácio do Planalto e resolveu adentrar para tomar um cafezinho com o companheiro Lula. Papo vai, papo vem, amenidades prá lá, amenidades prá cá, e o Silvio pediu ao nosso filantropo presidente, uma ajudinha de R$ 12 mil, para o seu programa social denominado Teleton. O nosso amável presidente, puxou a carteira, contou uns trocadinhos, separou outros e chegou à quantia solicitada. Depois, trocaram amabilidades, o presidente prometeu integrar, juntamente com a esposa Marisa, a caravana do ABC para participar de uma gravação do Programa Silvio Santos, se despediram, o Silvio continuou o seu passeio e o fiel presidente-torcedor foi assistir ao jogo do “curíntia”. Para azar do perseguido e injustiçado Lula, logo depois desta visita, o Banco PanAmericano, de propriedade do Grupo Silvio Santos, recebeu do governo federal, um pequeno aporte de R$ 2,5 bilhões, para fazer frente a despesas decorrentes de fraude contábil. Mas foi pura coincidência, gente, conforme afirma o nosso impoluto presidente, porque durante o encontro entre ambos, jamais se tocou em empréstimo para socorrer qualquer entidade financeira.